.................................................
electronic polaroids
quinta-feira, outubro 30, 2003

Minha mente anda muito ocupada. Acho que é por isso que espírio da falamerdinha anda tão encostado em mim. Passei o dia de ontem enchendo lingüiça LITERALMENTE. É óbvio que fiz o maior monólogo fálico da minha vida para o horror da classe toda. Em vez de pensar em movimentos peristálticos, que acho que seria o mais óbvio com uma tripa de carneiro na mão e recheios variados num saca-puxa, só fazia falar de pumpings, tamanhos, cores e direções. Fiz até uma homenagem ao chef: micro-lingüiças de frutos do mar.

(É óbvio que fui ameaçada depois)

Daí hoje, tonta de tanto comer massa de brioche crua, vi um outdoor que me deixou intrigada até agora. Por favor, confirme. Não pode ser isso, não. Tem que ser coisa da minha mente-esgoto... Eu juro que li, numa propaganda de sabonetes/cremes para negros, algo assim: dupla sensação. dupla penetração.

terça-feira, outubro 28, 2003

Aquende: e na compra do kit homenzinho-que-mija-sentadinho você ainda leva um tanquinho.

Diga aí, amiga-irmã-caminhoneira, um homenzinho que mija sentado porque não gosta de lavar o assento e imediações com o banho dourado não deve ser levado à igreja /cartório mais próximo imediatamente?

que *sonho*

I'm proposing.

Tamanho 10, por favor. Não suporto coisa escrita abaixo ou muito acima disso. Fico tonta.

Por mim, o uso da fonte verdana seria obrigatório. Odeio Times New Roman e Arial.

Um belo dia aí - e depois de muita encheção da Biba Gotz - resolvi me inscrever no tal Friendster. Muito nerd, né? Bom, o que você poderia esperar de alguém que tinha penfriends em milnovecentoseguaranácomrolha?

Eu nem dei muita bola. Acho que o André se diverte horrores. Puta do jeito que ele é, já deve ter uma bela lista de fuck buddies e afins.

Daí...

Passou o tempo.

Recebi um request pra autorizar um novo amigo. E - bizarro - era uma garota com quem eu não falo há anos. Doce e paciente Rachel - uma menina americana que conheci no albergue de Glastonbury junto com mais duas loucas, uma delas, a mãe da pequena gorfinha Maya. Nunca vou esquecer - além dos micos esotéricos que passamos juntas sem estarmos nem mesmo propriamente drogadas pra dar a desculpa - que foi com ela que fiz a minha primeira tatuagem. Ouvindo Scooby Snacks, depois de ter comido kit-kat e tomado Coca-cola por ordem expressa do tatuador chamado Luke. A Rachel preferiu um piercing. Depois foi comprar pomada comigo e a gente passou a tarde sob um sol bem forte. O magipack descolando da minha nuca e eu nem aí, passeando pelas macieiras e babando no chalice well. Último dia em Glastonbury, aquele ovinho meigo e new-age.

Ok, ok. Nerds sentem o rastro de semelhantes há quilômetros de distância, mas a Rachel veio com uma notícia muito bizarra. Antes de eu viajar, depois de ter lido uns 20 livros e sites sobre backpacking eu fiz uma sacolinha que daria inveja em qualquer hipocondríaco que se preze. Faltou só um antidepressivo, mas eu não contava com a minha astúcia naquela época tão inocente, há cinco verões.

Então a Rachel disse assim:

did i ever tell you that i had your medicine bag packed in with my stuff when i traveled home? they stopped me in customs and looked through EVERYTHING including this little bag of medicines that were all in foreign languages!! i was sooo nervous. i just pretended it was mine and that nothing was unusual about it and he finally let me go.

Então, tá. Era ela! Sem querer. Eu podia jurar que tinha sido uma canadense truqueiríssima e lapdancer refinada com quem fui obrigada a dividir aposentos em Londres.

Se a Rachel ao menos soubesse o quanto senti a falta daqueles remedinhos. Na minha desgraça e coração partido, de volta a Dublin e a um esquizofrênico, tudo o que eu queria, na ingenuidade dos meus vinte e um anos, era uma overdose de aspirinas. Um coquetel de anticoncepcionais, anti-histamínicos, Luftal e Atroveran.

Efedrina teria me feito mais feliz.

segunda-feira, outubro 27, 2003

Que beleza é sentar de calçolas na sua cadeira de palhinha. Alguns minutos e sua bunda fica lindamente trabalhada com uma trama.

Maldito Gibb. Eu só tenho ouvido isso. Só.

BAN MARRIAGE

I was late getting to church on the morning of my ceremony
Stayed up too late the night before from fingering foreign dirty holes in the dark
The morning sun blinded my eyes and made my skin look pale and tainted in the light
And there were steps to climb as I unloosened my tie
As I began to walk the aisle the congregation looked behind
But I continued past the pews and met my angel in a suit with a smile
And as I looked him in the eye I heard my best friend cry
That we "aren't fools to fall in love but let 'coupledom' die"

Ban marriage, Ban marriage (Ban it all!), Ban marriage (Ban it all!)

The minister was drunk and high from his rewrite of holy verse with more lies
But the organist she played with a tenacity and grace that was fine
The whole room was filled with the thunder and flood
Of just one chord; the thrill and clarity of sound
But soon the song went slowly dead and I was force to take a stand on one side:
It was him or my fag hag, oh well, I guess she was never that good of a friend
After my fag hag friend had fled the minister looked mightily fed and content
We said his rewritten vows that I could hardly pronounce
but was soon drowned out by that organ and the shout of

Ban marriage, Ban marriage, Ban marriage (Ban it all!), Ban marriage (Ban it all!)

The congregation, stunned and dumbed, looked upon me with an inocuous stare
I wept, and on my knees I prayed that there be truth and there be light in my day
In my hung-over daze I felt the thunder of God
It was the orders that I take the wrath upon my own rod
Then I repeated my own vows, they were perverted and they smelled of myself
"That there is splendor in the harshness of bum
that consummation makes a grumble and the sound that I have learned called:

Ban marriage, Ban marriage, Ban marriage (Ban it all!), Ban marriage (Ban it all!) Ban marriage (Ban it all!) Ban marriage (Ban it all!) Ban marriage (Ban it all!) Ban marriage (Ban it all!) Ban marriage (Ban it all!)

Bixa, que dor. Não é fácil ser racha. Não é.

domingo, outubro 26, 2003

Assim: quando alguém me dá um livro de receitas, essa pessoa está automaticamente inscrita na minha coleção de cobaias. Mme. Leszczynski, por exemplo, será a feliz e gorda ganhadora de um Pixie Cheesecake e Mouth-Watering Onion-Dill Bread.

Arrume espaço na sua cozinha, dear.

Que calor da porra. Fazia tempo que eu não andava tão descalça, com coxas grudentas e um rio Nilo entre os peitos. Essa sensação (a última) toda garota deve concordar que é simplesmente nojenta.

sexta-feira, outubro 24, 2003

Cuenda meu momento índio, DIY sua própria resenha. É o seguinte, minha trilha sonora de hoje foi composta basicamente por três coisas: Nice Man (porque meu cd de casa tá quebrado e eu não ouvia há tempos), Belle & Sebastian e Hidden Cameras.

Isso é o que eu tenho a dizer:




Vá agora mesmo comprar os dois últimos. O primeiro eu já elogiei horrores quando saiu. Esqueça as azedices de quem disse que Dear Catastrophe Waitress é uma bosta. NÃO É. Isso é coisa de quem já pega o cd pra ouvir com má vontade. ?A velha fórmula está lá? (crítico adoura essa muleta, não?), junto com alguns experimentalismos. Eu achei isso depois de ouvir, principalmente Piazza, New York Catcher (Dylanesca até o úrtimo) e Stay Loose, respectivamente. Wrapped up in books é uma das minhas prediletas, além da própria Dear Catastrophe Waitress e Step into my office, baby. Catchy, uhum.

Hahah. Fora que Step into my office, baby parece trilhinha de seriado tipo família do-ré-mi anos 70, non? E sei lá... em vários momentos eu tive a sensação que poderia assistir a Mary Tyler Moore com o volume abaixado e o disquinho rolando.





The smell of our own, do Hidden Cameras, bixa, é ma-ra-vi-lho-so. Tão bom que eu perdôo até o fato de eles serem (pausa para o vômito) canadenses, de terem saído daquela terra nojenta, lar de gente mala, sem graça e coladora-de-bandeira-em-mochila. Ok, chega de gongo. Deixa eu falar do que interessa. Lógico, cheguei neles porque li certa vez que eles eram meio meiga-trashinha-e-sebastianescos. Outras referências que colam bem são *amém* Magnetic Fields e Smiths.

Pára tudo! É foda. Hipermelodioso e toca nuns assuntos delicadinhos (homossexualismo/aids) ou sinixtros mesmo (golden shower/fio terrinha). Eu fiquei passaaaaaada. Golden Streams já começa impressionando. Tanto que você só percebe que se trata de mijo quando vai ler o encarte. Um mijo moooito poético: Golden stream/in the cold/it turns to ice/runs down my knees in fright. Ban marriage é ótima. A bicha vai casar com a amiga faghag, hahaha: I was late getting to church on the morning of my ceremony/Stayed up too late the night before from fingering foreign dirty holes in the dark... Mas a mais linda (linda mesmo) é uma música Boys of melody.



Anamariabyana, o que diabos é um filme iraniano rodado na Islândia??? Que medo. EU TENHO MEDO DE FILME IRANIANO. O que acontece? Uma importação do conceito iraniano de fazer cinema? Tipo Dogma?

O conceito deve se resumir ao seguinte: para ser um filme iraniano, é preciso que haja uma criança meio perdida. Só.

E o que era esse filme que você viu?

Onde fica meu gêiser?

Cadê meu troll?

A Saga?

Très Jolie... Ela agora diz que come sapos. SAPOS. Não SAPAS. No espeto. Coisa que aprendeu enquanto rodava seu mais recente filme, Beyond Borders, no qual contracena com *luxo* Clive Owen.

O quê?

Não sabe quem é Clive Owen? Tá, você não sobreviveu à exibição de Gosford Park? (Ok. É um filme aconchegante). Ou não é nerd o suficiente para acompanhar religiosamente (como eu) àquele minissérie na HBO na qual ele interpreta um detetive-escândalo-e-ceguinho, DCI Ross Tanner?

Reveja seus conceitos, byana. Há bons motivos nessa vida pra ser anti-social e viver alimentada pela tevê a cabo.

Baba, beibe:


TÁ MEU BEEEEEEEEEM!


E aguarde, porque é dele o papel de rei Arthur em King Arthur.

(E é claro que como a nerd-cabeçuda que eu sou, o ciclo arturiano (ho ho) é um dos meus assuntinhos prediletos).

Momento oráculo google (ou como pobres desavisados chegam ao meu vomitorium cibernético):

Travesti pau pequeno

(medinho de ser enrabada, bew?)

Fotos de pessoas da cornualha

(porque eles devem ter cornos ou são iguais aos gatinhos Cornish Rex)



Gay boots

(iguaizinhas àquelas plataformas cintilantes glam rock, bixa dinamarquesa desavisada!)

Bruxas, o que elas devem obter para serem uma bruxa moderna e jovem

(*molhando o dedo e folheando as páginas* Hum... de acordo com meu livro das sombras do Charmed, a maneira mais eficaz é o botox. lifting é passado)


Grisalhos e ninfetas

(ah, vá ler nabokov!)

quinta-feira, outubro 23, 2003

Ah é. Dois meses de casa e fui "promovida". A trouxa, óbvio. Mais trabalho. Dinheiro igual. Que dEUS me dê forças. Eu estou à beira de um colapso.

*gotas de luxo pelo rádio*

Rick Levy ocupa a estrelada posição de ÚNICO homem judeu que nunca partiu meu pobre coração-fetichista, além de ser meu amigo querido, bagaceiro e também ÚNICO ser humano que já vi usando pijama de seda, robe e pantufas que combinavam.

Riquelevi hoje mandou um e-mail pra bunita desavisada e amiga ausente (e suas duas partners in crime Anamaria e Vivian) dizendo:

vi*, vc. sabe que logo na primeira musica é dedicada a vc. e a todas as garotas superglamourosas.... não as que se tornam, mas sim as como vcs. 3, que já nasceram, pq. luxo, poder e glamour é de berço.

Beijos amoressssss
rick


Como assim? Riquelevi agora está em versão radinho! É amanhã, byana. Eu vou dar um jeito de escapar do fechamento e ouvir essa primeira canção... que imagino ser... hum... Pink Glove? Também vou levar meu radinho de pilha. É amanhã, repito, às 22h30, na Brasil 2000. Vai ser histórico ouvir o tal de "e aí galeeeeeeeeeera!".

Uma chuva de chocolates Godiva pra vc, meu querido.

A notícia por si só já é bizarra. Uma mãe simplesmente tacou os dois filhos (gêmeos de 14 meses) de uma ponte no rio Mississipi. Depois fez o favor de se jogar. Um dos meninos morreu. Ela e o outro foram resgatados.

Mas o mais bizarro mesmo é o nome dos pobres moleques: Supreme Knowledge Allah e Sincere Understanding Allah.

E você achou que só brasileiro era byano, hein?



E uma amiga minha, que já é do peito, me lembrou de algo que me chocou recentemente. Sabe, por puro comodismo fiquei um bom tempo sem me aventurar pelo maravilhoso mundo dos sutiãs. A falta de bom uso fez com que eles durassem bastante, e depois, eu tenho uma notória tendência a não me desfazer de lingerie, por mais cármicas que essas peças de roupas possam ser.

Enfim, sabia da existência do tal sutiã hidratante e tudo mais. Mas recentemente, quando fui às compras, fiquei absolutamente transtornada. O que fizeram com os sutiãs de antigamente? Por que não se acha mais meia-taça por aí? E o bom e velho wonderbra truqueiro?

O negócio agora é, eu percebi, sutiãs-armadura. Com um enchimento horroroso e insensível. Os peitos são totalmente encapados, sublimados, diminuídos. De que me adianta?

E o que houve com a numeração? G agora é PP? E que bosta de sistema americano! A cup, B cup, C cup? Eu sei lá, fia, quantos centímetros eu tenho de tórax e quantos mililitros eu carrego em cada peito! Tanto número pra decorar...

(Não vá agir como essas vendedoras enxeridas, olhar pra minha cara rindo e falar: "Mas vc, Gêêê?". Devem ser as minhas costas, oqueeeeeeeeei?)

Ah, lógico. Queria porque queria ter cabelo bom.

É mera coincidência? Por que diabos bandinhas de japinhas fofas gostam de fazer musiquinhas com nome de comida? Assim é com as lariquentas do Cibo Matto (só o nome já diz tudo) e percebo que com as Shonen Knife idem (strawberry cream puff/hot chocolate/sushi bar)?

Algo cultural?

Eu sempre morri de inveja dos japas. Sempre quis ser delicadinha, pequenininha e ficar na frente na fila da escola. Sempre quis ter aqueles estojinhos fofos, adesivinhos, canetinhas cheirosas, mas minha parafernália made in paraguay se resumia a um estojo que cuspia borracha e ceifava dedos com o apertar de botões e uma caneta de Itu de 36 cores que era impossível para escrever.

Agora minha jap-envy voltou revigorada. Tinha esquecido daquele caprichinho e paciência tão característico. Meus cortes são uma merda. Todos desiguais. Brunoise não existe no meu dicionário. Nem dobradurinhas com massa aerada. Nem mini-micro californias. Nem ovinhos de cordona fritos com presteza.

Comigo é assim: se tento cortar miudinho, arranco uma tampa do dedo junto. Se tento fazer frufru e uso o bico de confeitar, a porcaria entope e eu espirro recheio em todo mundo. Caio na cozinha. Mando tomar no cu bem alto. Belisco a bunda do colega desavisado e não sei como a comida sai de alguma maneira comível. Mero acidente. Enquanto isso, o filão oriental da classe permanece plácido e concentrado. Sem um vinco na testa.

Latrino ways. Queria ter o sangue menos quente.

terça-feira, outubro 21, 2003

Querido diário...

hoje eu:

* Dormi e acordei ouvindo coisas sobre Bangladesh e um mala que caçava monções.

* Chorei bem menos que ontem.

* Comi bem menos que ontem.

* Minha dieta hoje foi composta basicamente só de doces (em especial a metade remanescente da metade do bolo de banana que eu fiz e devorei ontem).

* Dei cano no trabalho e na faculdade e foda-se.

* Podia ter enchido o cu de queijos, mas eu faltei na aula, então foda-se.

* Quase chorei na frente de uma caixa do Bradesco que se recusou a aceitar um pagamento com cheque do Itaú de um boleto do Real depois de 40 minutos de espera.

* Pensei em quem gostaria de ver morto (pelo espetáculo) e o escolhido foi o Michael Jackson. Espero viver para ver isso.

* Voltei à infância e comi uns nacos de um brilho labial da Barbie sabor tutti frutti.

Querido diário, sou uma escrava dos meus hormônios. Obrigada pela compreensão.

sexta-feira, outubro 17, 2003



Courtney Love está óóótima numa entrevista na última Elle americana. Bagacenta. Gonga a mãe sem medo. Mostra os peitos. Insiste que é neta do Brando. Diz que cansou de ser puta (I used to be the biggest slut and it was fun) porque acha que sexo casual transmite karma. E usa um palavreado lindo, digno de cafetina. *clap*

Courtney: ... logos and genitals scare me to death.

Repórter: Why genitals?

C: Because I saw them when I was a little kid out by the pool. Back in the '70's, honey, people didn't take care of their bodies. Big bellies. Pre-bikini wax, my love. Twenty naked bodies hanging around the pool except for my swimming teacher and me; we had swimsuits on. My mother - "Courtney, why are you being so inappropriate? Look at all these naked bodies." The swimming teacher never came back.

....

R: In keeping with your paradoxes, you seem more comfortable with your clothes on. I loved it when you sang a ballad topless onstage in Perth, Australia.

C: It freaks people out. That was the first time I did that. It was just me and a guitar. That's when I broke my boobjob.

R: Ouch!

C: These are my real boobs, by the way.

R They're beautiful.

C: Go to (surgeon) Brian Novack. A lot of the ladies don't like him because he won't lie to them. He'll say, "I can't make you look like Cindy Crawford". And they get pissed off.

Isso eu achei bem fofo. Foi o Anthony Bourdain quem disse. Tá no Em Busca do Prato Perfeito, que eu leio agora. É pra eu lembrar sempre que olhar pras minhas mãos, que estão ficando horríveis, com unhas curtas demais e sem esmalte algum. E um dedão chinffonado, também, porque outro dia aí me empolguei enquanto cortava repolho beeeem fininho):

"Não há nada mais sexy para um chef que uma mulher jovem supertalentosa, vestida com uniforme branco, com marcas de queimaduras e bolhas nas mãos.."

Abafa o supertalentosa. É um mero detalhe. Ho ho.

quinta-feira, outubro 16, 2003

Faz tempo que preciso dizer isso. Por cortesia de Mme. Leszcinskwgkbkj (desculpe, mas não tenho seu e-mail aqui pra dar um copy+paste no seu nome ricoh) encontrei meu guru: Pipi é o nome dele. É português. Esqueça a piada do portuga, tá? Pipi é móóóito esperto, espirituoso e bravo. Lógico, seria bom um glossário ou legendas. Aquele palavreado lusitano parece meio instransponível, mas ao mesmo tempo é o que dá mais bizarrice aos suuuuper relatos de pipi.

De quebra a gente aprender a falar português, não? Aquele que interessa, óbvio. O chulo.

Olha, nem sou leitora assídua de Playboy. É típica revista de macho-retardado que me dá náuseas. Pior só a VIP. Mas enfim, a edição deste mês está SENSACIONAL. Na capa, se você ainda não teve oportunidade de topar com um outdoor por aí, é a Danielle Winits. Definição em duas palavrinhas só? *um medo*. Tão medonho que é bom.

A byana é a prova cabal que nem mudando a cor do cabelo (que me perdoem as louras esplendorosas e não-barangas) ela deixa de ser vulgar. Que hiperbronzeado é aquele? Com aquela marca de asa-delta ridícula? Por favor, alguém avise. Esta garota está muuito enganada, coitada. Megatetas muito ruins, deusmelivre. A cereja no topo é o mini-coração pânico tatuado perto da virilha.

Fora isso, por favor atente para a suuuuuupermatéria sobre COMO catar patricinhas em seus habitats: a Vila Olímpia.

Mais uma vez, digo: esse tipo de coisa me faz querer nascer um gay misógino ou começar uma campanha em prol das mulheres redondas naturais, putas de primeira categoria.

Freud, explique, porque eu não entendo. Alguma mãe Dinah? Sei lá. Eu tive um dos sonhos mais abomináveis da minha vida na noite passada. E nem foi pesadelo, foi sonho. Ou seja, pior ainda, porque tudo parecia normalíssimo, mas quando eu acordei passei mal de dor, de medo e de confusão.

Imagine: eu, meu irmão e o tal amigo da pulseirinha de ouro. Nós três numa mega casa de campo. Dessas meio germânicas. De repente vejo a gente numa escada digna de Scarlett O'Hara, ocupadíssimos revirando um caixão. Dentro dele estava meu pai. Meu p-a-i. A gente exumava o corpo... e eu estava meio boba porque ele estava preservadíssimo... eu via os olhos, o bigode, o nariz... o terno estava intacto. E - que horrível - via uns algodões inteiros também.

Eu não chorava, nem nada. Só estava um pouco passada. E de repente tudo acabou porque o despertador tocou.

Não sei que tipo de sonho é esse. Não é só o clássico "lavagem diária", nem só meus recalques. Claro, eu fui dormir assistindo a um documentário incrível sobre os bogmen, cadáveres encontrados em pântanos e preservados de um jeito bizarro. Também andei gongando o menino da pulseirinha dourada. E há meses que não engulo a exumação do meu pai. Fiquei muito, muito chocada. Isso porque nem vi, só meu irmão.

Eu não sei de mais nada, ouviu? Queria ter força de vontade pra manter o tal caderno de sonhos que minha ex-terapeuta tinha sugerido... mas eu sempre esqueço, assim que ponho os pés pra fora da cama.

quarta-feira, outubro 15, 2003

Ah é. CU-ritiba foi horrível. Medo, pânico e horror na companhia de celebrities leite C. Vivian, você precisa saber.

O meu irmão - quando era um ser engraçado e tinha cabelo marrom - fazia umas críticas muito retardadas. Eu adorava, mas nunca disse isso. Tipo, ele também odiava musicais, mas não abria exceções como eu. Ele falava que em musicais funcionava sempre a velha fórmula. Pra tudo era: "Vamos cantar aquela veeeelha canção..." E pronto. Mais meia hora de musiquinha feliz.

Eu me pergunto quando foi que o meu irmão ficou um chatola contido, mediquinho clássico. Será que foi quando fez cursinho? Será que foi quando viciou em arquivo X? Quando começou a jogar baseball e correr em maratonas ou quando passou a andar com gente que usa pulserinha de ouro? Hoje em dia ele acha que calcinhas engraçadas são vulgares e que eu devia sumir com elas do meu guarda-roupa. Aposto que ele gosta de byanas com rendinhas cor da pele, daquelas que uma garota em sã consciência só usa quando está menstruada, pra não estragar as sunday best. *vômito*

Cadê aquele moleque que tinha inventado uma música especialmente pra dar descarga? Que fazia dancinha na frente da TV quando jogava videogame?

Guilherme, vc foi abduzido?

Enfim... o povo do belle & sebastian percebeu que aquele site deles era medonho e resolveu mudar. Que barra lateral horrível era aquela? So 95...

(pára Trânsito!)

(Trânsito é a minha cachorra e ela está com a pata na minha cabeça...)

Só faltou mais flash, não acha? Não no cão (deusmelivre). No site.

Vai lá no ask Neil (no toys). Era exatamente por isso que eu tinha muuuito medo quando primeiro botei os pezinhos em Glasgow.

Alô! Ando horrivelmente ocupada. Justo eu, que tenho um talento inato para dolce far niente, coçação de saco e afins. À beira de um colapso, isso sim. Mas já é quarta-feira e o fechamento 1 se aproxima. Arre, como dizem os velhotes. Tenho me perguntado se tanta ralação vale a pena. Hoje li en passant (porque não posso destruir minha filosofia de não ler notícias) que a informalidade de hoje vai gerar velhos desprotegidos amanhã. Oops. Eu? Hmn... Se meu pai estivesse vivo, com certeza já teria me convencido a fazer um plano de (ew) previdência. Ele era todo organizado. Mas eu sou exatamente como minha mãe... e vivo o momento em sua plenitude (ou quase). Melhor pensar... como passarei minha velhice ao lado de bichas velhas e gatos british short hair, fofocando e sorvendo champa fina se não me prevenir agora?

sexta-feira, outubro 10, 2003

Atenção! Débora Secca acaba de perder a liderança do troféu "que tatuagem byana, hein?". O primeiro lugar agora é ocupado - e muito bem ocupado - por aquela que diz que ser preta é difícil, ainda mais gil.

Vemos bem que ser ridícula é muito mais fácil. Pois Preta, no afã de se sobressair pela milésima vez na semana, aparece em evento com uma bitoca cor de rosa estampada no pescoço. Oquei. Você pensou que ela quis simular um banheirão básico com alguma perua da festa, certo? Mas ao que parece nossa amiga tatuou uma marca de beijo.

Me diga... aonde é que vamos parar desse jeito?

Eu proponho a clandestinidade da tatuagem. Ou que os direitos de tatuadores sem noção sejam devidamente cassados.

E assim Kelly Key e bofe (com seu quero te beijar/então beija) e La Secca (livrai-me de todo mal, amém/letreiro de caminhão) passam a ocupar terceiro e segundo lugar, respectivamente.

Alguém sabe de coisas legais em Curitiba num sábado à noite? Responda, por favor. Não quero ficar presa no *mico do século*.

quinta-feira, outubro 09, 2003

Deep in a Dream na voz do Chet. Aliás, 1959 Milano Sessions (que foi lançado pela Trama aqui) é um seríssimo must have. Estou em delírio e arrotando millésime. Hahah.

Deep In A Dream

I dim all the lights and I sink in my chair.
The smoke from my cigarette climbs through the air.
The walls of my room fade away in the blue,
And I?m deep in a dream of you.
The smoke makes a stairway for you to descend;
You come to my arms, may this bliss never end,
For we love anew just as we used to do
When I?m deep in a dream of you.
Then from the ceiling
Sweet music comes stealing;
We glide through a lover?s refrain.
You?re so appealing
That I?m soon revealing
My love for you over again.
My cigarette burns me, I wake with a start;
My hand isn?t hurt, but there?s pain in my heart.
Awake or asleep, ev?ry mem?ry I?ll keep
Deep in a dream of you.


quarta-feira, outubro 08, 2003

Alguém aí tem um contato com o povo do Supperclub? Sem ser a Rita. Esse eu já tenho. Obrigada.

Angelina vale por um bifinho?

terça-feira, outubro 07, 2003

Barangas Utd.

E atenção, creonças: restam apenas cinco (5) finalistas - escolhidas num mar de beldades louras - para substituir sheila mello no É O Tchan.

Façam suas apostas. Eu acho que quem ganha é a Magali.

E atenção para o tamanho da comissão de frente de cada uma delas. Em breve ele deverá inchar consideravelmente.

Para Bush, ataque aéreo israelense foi "essencial"

Washington, 07 (AP) - O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, qualificou hoje (07) o ataque aéreo promovido por Israel contra a Síria como "essencial" para defender o país e traçou um paralelo entre a política americana sobre o "terrorismo" e as ações do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon.

Filho da puta, nojento, caipira, ignorante, cocainômano, pinguço, white trash, ladrão, boçal, racista, anti-árabe, comedor de pretzel. MORRA. Que o Hezbollah envie um homem bomba pra entrar no seu rabo laceado de quem dava o cu pra boi do Texas e explodir.

Que nojo. Que ódio.

O mundo nunca irá pra frente com um Bush-o e com uma Sharon no poder.

Que merda é essa nesse template? Ódeo. Vou trocar logo logo. Baranga.

Annix? É a Sophie Marceau no Alex & Emma? Vi um trailer na TV. Que esquisito. E olha, tenho pra mim (adoooouro essa expressão de tia) que Luke Wilson é um caso permanente de patetismo. Nada corrige aquela cara de cu. Nem Pitanguy. Só discordo do seu comentário sobre a Kate Hudson. Que eu amo e acho muito fofinha, desde About Adam. Tipo harmless. Uma Meg Ryan mais nova e mais sexy. E grávida, agora. Tá uma coisa *meiga*.



* A hortelã... tadinha. Toda vida achei que fosse um homem, mas é mulher (hortelã . [Do lat. tard. hortulana, com dissimilação.] S. f. Bot. 1. Erva rasteira da família das labiadas ( Mentha viridis), cujas morfologia e propriedades se assemelham às da hortelã-pimenta (q. v.). 2. V. levante2 (3).).

* Flambar pode a-ca-bar com seus cílios (cuidado para não usar rímel inflamável).

* Um dólmã não é um avental. Um avental não é um dólmã. Exceto para pessoas sonolentas como eu. E quase fiz aula hoje numa espécie de "frente única" truqueira, não fosse pela caridade dos colegas.

Mais um capítulo de: Vivendo e aprendendo na (literalmente) Hell's Kitchen.

(e bew... fiz um medalhão-luxo hoje. Ao ponto. Deve ser como vc gosta. Eu teria passado mais, mas... isso vai contra as leis. Molhinho de vinho do porto e aceto, que uma colega insistia em chamar de acetato balsâmico... hoho).

segunda-feira, outubro 06, 2003

Notícias do transporte público novamente. Desta vez o trem estava bem folgado e eu consegui sentar. Ao lado de uma louca. Doida varrida. Esquizo. Split personality. Sei lá. É incrível como todo mundo faz a egípcia com loucos e tarados no transporte público. Todo mundo finge que não ouve o ser humano se esgoelando ou não vê o velho gordo esfregando o pinto numa pobre garotinha.

E hoje não seria diferente. E é claro que eu fingi também. E me segurei pra não rir. E fiquei com medo de tomar um tapaço da louca a qualquer minuto. Mas a louca ficava assim, cantando uma música bizarra: a boneeeeeeeca te amaaaaaaa... a boneeeeeeca gosta de você. Daí ela parava. E começava um bate-papo incrível com o nada: Você ama a boneca? Você quer a bonequinha? A bonequinha te quer! Você nunca amou a Ruth...

E eu... x. Fingindo que lia o livro e não conseguia passar do trecho que falava de uma concepção sincronizada.

Aí a louca começou a gesticular freneticamente. E realmente achei que iria apanhar de graça... mas então eis que chega a Vila Olímpia... e eu saltei. Não sem antes dar uma olhadinha pra cara dela. E a mulher estava - sem a menor cerimônia - cheirando o próprio sovaco. O cara do lado? Fingia que não via, claro.

Então, você também não ficou besta com o lançamento simultâneo do Dear Catastrophe Waitress no Brasil e na Europa?

Tipo, não ficou se sentindo *primeiro mundo*?

Não achou que o Brasil (lá no fundo) poderia fazer alguma diferença?

Então... é claro que a o lançamento ia miar, né? Aposto que houve uma greve da tribo dos picumãs na Zona Franca e os cedês ficaram tooodos presos.

domingo, outubro 05, 2003

teste

E eu acho que minhas amigas são pessoas boníssimas. Tipo, elemento sapatini proporcionou diversão ao vivo para um punhado de marmanjos que certamente jamais tinham visto uma almôndega na vida, exceto aquela que a mamãe faz pra acompanhar o macarrão de domingo, claro.

Tenho certeza também que pelo menos por uma semana as mãos dos marmanjos estarão plenamente ocupadas.

Isso sem falar na grande revolução sexual que ela provocou em pelo menos duas garotas.

Viu? Não se trata de puro hedonismo. Ser bagaça é um ato de entrega também.

Uma festa é sempre uma boa ocasião para estudos antropológicos. Ainda mais se for num ambiente muito diferente do seu (parecia uma reunião de 10 anos de formatura do Logos ou do Oswald, mas eu gostei do "gominha" pichado na porta). O desprendimento fica mais fácil também com um copo de pinga na mão. Dá pra observar tudo com uma clareza incrível.

Por exemplo, o frisson causado pelo elemento sapatini foi algo digno de nota. Lésbicas adormecidas de repente se levantaram. Seria algum odor diferente? Haha... Adoro ver mulher se jogando. É muito engraçado. E você, na qualidade de rachada também, consegue muito bem perceber todos os trejeitos truqueiros que os homens quase nunca notam.

A frase da noite foi para - lógico - o elemento sapatini:

"Calma, garotas. Tem pra todo mundo!"

sábado, outubro 04, 2003

The top 40 bands in Britain today

Nem ligo pro primeiro lugar. O cd deles está mofando aqui, honestamente. Desconheço - e faço questão de continuar assim - outros. Mas eu adorei certas inclusões, como Goldfrapp, que eu acho *luzes*:

There is plenty of sex in pop, but precious little sensuality. After a few years in the shadows as a guest vocalist for the likes of Orbital and Tricky, Alison Goldfrapp (aided by collaborator Will Gregory) emerged to remedy that shortage with a cocktail of ripe carnality and sinister beauty. The duo's albums, Felt Mountain and Black Cherry, are exotic middle-European fantasias co-scripted by Christopher Isherwood and Hans Christian Andersen: music for black forests and red light districts.
Sound:16
Songs:10
Gigs:10
Style:18
Attitude:16
Total: 70

sexta-feira, outubro 03, 2003



Ah, eu vou adorar isso. Tipo filminho típico de Gabriela: Sylvia.

(vcs viram o site oficial, Vi e Vi*?)

*nham*



20 de outubro.

Só mesmo uma amiga travestóloga e groupie de Bianca Exótica pra alegrar meu dia com pérolas assim:

:: Travesti barrada no Habib's, loja alega "seios à mostra"
A travesti Bianca de Capri afirma ter sido proibida de entrar na loja da rede Habib’s situada na avenida São Miguel, no bairro paulistano Ermelino Matarazzo, na quarta-feiia, 24/9, por volta da 1h20 da madrugada. Bianca diz freqüentar a lanchonete há quatro anos e que nunca havia sido vítima de preconceito, mas que nesse dia foi barrada por um segurança a pedido do gerente.

A lanchonete afirma que ela não estaria devidamente trajada para entrar no lugar, pois seus "seios estavam a mostra". A assessoria da rede disse ao Mix Brasil que essa loja recebe muitas travestis e transformistas e que todos são atendidos com respeito. Disse ainda que divulgará nota sobre o caso.



Cuenda a pré-venda de Dear Catastrophe Waitress, aliás.



E a Donatella Versace, que já é uma natural born baranga, por esse ângulo daria uma excelente mulher-bunda de axé-pagode-blonde. No?



É algo pessoal ou esse site da Patolina é realmente truqueiro com arquivos de áudio? Até hoje não consegui acessar as músicas do B&S. Nem vi o vídeo luxo da Kate Moss. E agora... não consigo ouvi-la cantando Some Velvet Morning, uma música que - particularmente - me faz de-li-rar.

Ah, vai lá participar da rifa nigger-name do MeUku. Tá ótemo. LaRica, você é um gênio.

Burglary parece ser a última moda entre roqueiros:

REPORT: COURTNEY LOVE ARRESTED IN LA

"Oi, moço? Me vê dois burglary, por favor?"

E uma vez bagaça, sempre bagaça.

quinta-feira, outubro 02, 2003

Aliás, hahaha, minha paciência anda explodida em todos os sentidos de uns tempos pra cá. Algumas vezes eu me divirto e fico beeeeeeeeege com as minhas atitudes. Tipo, eu tenho cara e voz de menina boazinha, então o pouvo pensa que eu deixo quieto sempre. Mintira, vio? Vem cá pisar no meu calo pra vc ver. Passei a fase barraqueira, a fase falando francamente e agora estou numa bem bisonha. A fase cara-de-cu. É só me desagradar e eu cruzo os braços e faço cara-de-cu por hoooras a fio. Igual criança. Dirty looks também. E se abro a boca, é só pra falar com ironia.

Só ontem eu fiquei quatro horas assim. Emburrada, calada, empunhando uma colher de pau e imaginando as mil e uma utilidades dela na traseira de um colega pentelho.

Gabriela: "Ervilha filha da puta. Odeio, odeio, odeio..."
Chef: "Gabriela, você não pode cozinhar assim... Tem que ser com paixão..."
Gabriela: (cara de *hello??*) "Me diga como cozinhar com paixão algo que parece com o vômito da Regan?"

Não sei por que diabos eu inventei de voltar para a Sinister. Tenho duzentos e-mails descansando placidamente na minha caixa. Talvez fosse nostalgia, porque eu li coisas muito legais e falei com gente muito legal numa época bem bosta da minha vida. Meu amor sebastiano não arrefeceu de jeito nenhum. Meu cabelo continua a mesma tragédia. Minha voz permanentemente sob efeitos de hélio... Mas minha paciência... quanta diferença, hã?

Que falta de saco pra ler e-mails-saga, com títulos engraçadinhos e citações fofinhas do meu cu. Não tenho ânimo pra entrar na panelinha e mal tenho paciência pra escrever pros meus amigos (uma delas, inclusive, pensa que eu a odeio... até parece).

Que velhaca. Tento voltar no tempo e não consigo.

Contas a pagar? Hoho. Esta sou eu:


quarta-feira, outubro 01, 2003

Mais, mais, mais dona Springfield:

I don't know what it is that makes me love you so.
I only know I never wanna let you go
'cos you started something, can't you see.
Ever since we met you've had a hold on me.
It happens to be true, I only want to be with you...



Dusty, querida, cantaí porque eu sou *a* retardada agora:

wishin', and hopin', and thinkin', and prayin',
planning and dreamin' each night of his charms.
that won't get you into his arms!

so if your're looking for love you can share!

all you gotta to is hold him, and kiss him, and love him,
and show him that you care.

show him that you care, just for him.
do the things that he likes to do.
wear your hair just for him, 'cause,
you won't get him, thinkin' and a prayin',
wishin' and a hopin'.

'cause wishin', and hopin', and thinkin', and prayin',
planning and dreamin' his kisses will start.
that won't get you into his heart!

so if you're thinking how great true love is!

all you gotta to is hold him, and kiss him, and squeeze him, and love him.
yeah, just do it!
and after you do, you will be his.

you gotta show him that you care just for him.
do the things that he likes to do.
wear your hair just for him, 'cause,
you won't get him, thinkin' and a prayin',
whishin' and a hopin'.

'cause wishin', and hopin', and thinkin', and prayin',
planning and dreamin' his kisses will start.
that won't get you into his heart!

so if you're thinking how great true love is!

all you gotta to is hold him, and kiss him, and squeeze him, and love him.
yeah, just do it!
and after you do, you will be his.

you will be his.

you will be his!

hum... adivinhe pra que servem as setas?

... et puis je fume.


versão 5.0 - pink martini

I'm BORED of the rings
I'm BORED of the rings

maystar designs | maystar designs | maystar designs